terça-feira, 28 de maio de 2013

Sermão do Padre René Trincado Domingo da Santíssima Trindade México, 26 de Maio de 2013


Sermão do Padre René Trincado
Domingo da Santíssima Trindade
México, 26 de Maio de 2013


Tradução: Capela Nossa Senhora das Alegrias - Vitória/ES
Observações: capela@nossasenhoradasalegrias.com.br


A GUERRA NÃO É VOSSA MAS SIM DE DEUS


Houve um rei de Judá, chamado Josafat, que governou com temor de Deus. É muito elogiado por muitas obras santas que fez, como, por exemplo, quando se diz na Escritura que “varreu da terra o resto dos efeminados que haviam ficado do tempo de sua pátria Asá” (1 Reis, 22-47).

Em certa ocasião o Reino de Judá se viu gravemente ameaçado por uma aliança poderosa das nações vizinhas, humanamente impossível de vencer. O Rei Josafá, muito angustiado, suplicou o auxilio divino diante de todo o povo. Ao finalizar sua oração, um profeta chamado Jahaziel, se levantou e disse: “Ouvi, toda Judá, e vós moradores de Jerusalém, e tú, rei Josafá. O Senhor os disse: não temais nem se amedronteis diante desta tão grande multidão, porque a guerra não é vossa senão de Deus. Não temais nem desanimeis; marchai contra eles porque o Senhor está convosco” (2 Cron. 20 15,17). Cheio de valor, de confiança em Deus, e desprezando os meios puramente humanos, marchou o rei na cabeça do seu pequeno exército contra os poderosos inimigos, e estes foram esmagados por obra de Deus. A guerra não era sua, era de Deus.

SERMÓN EN LA FIESTA DE LA SANTÍSIMA TRINIDAD – R.P. RENÉ TRINCADO


LA GUERRA NO ES VUESTRA SINO DE DIOS

Hubo un rey de Judá, llamado Josafat, que gobernó con temor de Dios. Se le elogia por muchas obras santas, como, por ejemplo, cuando se dice en la Escritura que “barrió de la tierra el resto de los afeminados que habían quedado en el tiempo de su padre Asá” (1 Rey. 22 47).

En cierta ocasión el Reino de Judá se vio gravemente amenazado por una alianza poderosa de las naciones vecinas, humanamente imposible de vencer. El Rey Josafat, muy angustiado, suplicó el auxilio divino delante de todo el pueblo. Al finalizar su oración, un profeta llamado Jahaziel, se levantó y dijo: “Oíd, Judá toda, y vosotros moradores de Jerusalén, y tú, rey Josafat. El Señor os dice: no temáis ni os amedrentéis delante de esta tan gran multitud; porque la guerra no es vuestra sino de Dios. No temáis ni desmayéis; marchad contra ellos porque el Señor está con vosotros” (2 Cron. 20 15, 17). Lleno de valor, de confianza en Dios, y despreciando los medios puramente humanos, marchó el rey a la cabeza de su pequeño ejército en contra de los poderosos enemigos, y éstos fueron aplastados por obra de Dios. No era suya la guerra sino de Dios.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

FSSPX: Que não sejamos nós!


Obs: A Missão Cristo Rei está em pleno acordo tanto com o editorial como também com os comentários da tradutora Sra. Giulia D, Amore. Salve Maria! 


EDITORIAL DO “THE RECUSANT” n°7, MAIO/JUNHO DE 2013.-





Estimado leitor:

Um ou dois de vocês se declaram um tanto desconcertados por causa do editorial do mês passado. E têm toda razão. A situação é espantosa, sendo pois normal que vocês estejam um pouco sobressaltados.

Assim, se a redação, a impressão e circulação deste boletim de noticias servem para alguma coisa, deve ser que não tem medo de lidar inclusive com as consequências mais horríveis da realidade que agora enfrentamos.

Apenas admitindo uma situação podemos começar a lidar com ela de maneira inteligente e honesta. E mesmo que a realidade seja dura e o panorama sombrio, realmente deveríamos estar agradecidos ao Senhor por nos ter colocado nesta esta época, já que é realmente uma honra ter uma tão grande oportunidade de Lhe mostrar quão fieis e firmes podemos permanecer a Seu serviço, e a firmeza com que nos agarramos a seus ensinamentos, pouco importando que os coloca em perigo ou os contradiz.

MAIO COM MARIA: Dia 24 - Particular clemência de Maria para com os pecadores


“Consentis, Senhor, que façamos descer fogo do céu e os consuma?” — assim perguntaram ao Mestre João e Tiago, quando os samaritanos se recusaram a receber Jesus Cristo e sua doutrina. Respondeu-lhes então o Salvador: Não sabeis de que espírito sois? (Lc 9, 55). Queria dizer: Sou de um espírito todo de clemência e doçura; para salvar e não para castigar os pecadores, vim do céu e vós quereis vê-los perdidos? Falais em fogo e castigo? Calai-vos e nisso não me faleis mais, porque não é esse meu espírito! Ora, sendo o espírito de Maria completamente semelhante ao de seu Filho, não podemos pôr em dúvida seu natural compassivo. De fato, é chamada Mãe de Misericórdia e foi a própria misericórdia de Deus que tão compassiva e clemente a fez para todos. Assim o revelou a própria Virgem a S. Brígida. Por isso representa-a S. João revestida do sol: Apareceu um grande sinal no céu; uma mulher vestida do sol (Ap 12, 1). Comentando o trecho, diz S. Bernardo à Virgem: Senhora, revestistes o Sol (Verbo Divino) da carne humana, mas ele vos revestiu também de seu poder e de sua misericórdia.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Sobre as condições para o católico apoiar um partido político


SPES

Tem-se-nos perguntado muito ultimamente quais as condições para que o católico possa apoiar um partido político. Parece-nos que sejam as seguintes:
1) Seu programa não deve ter nem a menor sombra de comunismo ou socialismo, mas tampouco de liberalismo: nenhuma defesa das ímpias liberdades impostas pela Revolução Francesa, como a de expressão pura e simples, ou seja, indiferente liberdade tanto para o certo e o bem como para o erro e o mal – o que já é em si e por si liberdade para o mal. Já não seria liberal a seguinte formulação: liberdade de expressão para a Verdade.

MAIO COM MARIA: Dia 23 - Maria é toda clemência e bondade



O autor dos Discursos sobre a Salve Rainha diz que Maria é a terra prometida pelo Senhor, na qual manava leite e mel. Quer assim mostrar-nos de modo bem intuitivo a grande bondade dessa Rainha para conosco, miseráveis e deserdados. S. João acrescenta que Maria tem entranhas de tanta misericórdia, que merece ser chamada não só misericordiosa, mas a própria misericórdia. Por causa dos infelizes foi Maria constituída Mãe de Deus e colocada para lhes dispensar misericórdia, ensina-nos S. Boaventura. Considera em seguida a imensa solicitude que ela tem para todos os miseráveis, bem como a sua grande bondade que acima de tudo deseja socorrer aos necessitados. Essa consideração leva o Santo a dizer: Quando olho para vós, ó Maria, parece-me não ver mais a divina justiça, mas a divina misericórdia somente, da qual estais cheia. Em suma, tanta lhe é a piedade que, como diz o Abade Guerrico, seu amoroso coração não pode cessar um momento de ser misericordioso conosco.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 22 - A devoção a Maria é um penhor da bem-aventurança



Desde que não lhe ponhamos obstáculos, alcança-nos essa divina Mãe o paraíso, pela eficácia de suas súplicas e de seu patrocínio. Aquele, por conseguinte, que a serve e conta com sua intercessão, está seguro do paraíso, como se já ali estivesse. O servir e ser da sua família, diz Ricardo de S. Lourenço, é das honras a maior; pois, servi-la é reinar no céu, é viver sob suas ordens, é mais que reinar. Pelo contrário, prossegue ele, aqueles que não servem a Maria, não se salvarão; porquanto, destituídos do auxílio da poderosa Mãe, ficam também privados do socorro do Filho e de toda a corte celeste.

terça-feira, 21 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 21 - Pela devoção a Maria salvaram-se os bem-aventurados



Os servos de Maria têm um belíssimo sinal de predestinação. Para confortá-los, a Santa Igreja aplica à Mãe de Deus o texto do Eclesiástico: Em todos estes busquei o descanso e assentarei a minha morada na herança do Senhor (24, 14). O Cardeal Hugo comenta: Feliz daquele em cuja morada a Santíssima Virgem encontra o lugar de seu repouso. Maria ama a todos os homens e quereria ver sua devoção reinar no coração de todos os fiéis. Muitos ou não a recebem ou não a conservam. Feliz de quem a recebe e conserva fielmente. “Assentarei a minha morada na herança do Senhor”, isto é, — segundo Pacciucchelli — a devoção à Santíssima Virgem ostenta-se em todos os que no céu formam a herança do Senhor e lá eternamente o louvam. E mais adiante lemos: Aquele que me criou descansou no meu tabernáculo e me disse: Habita em Jacó e possui a tua herança em Israel, e lança raízes nos escolhidos (Eclo 24, 12 e 13). Isto quer dizer: Meu Criador dignou-se vir repousar em meu seio, e quis que eu habitasse no coração de seus eleitos (dos quais Jacó foi figura), que são minha herança. Determinou que deitassem profundas raízes em todos os predestinados a devoção e a confiança para comigo.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 20 - Maria livra as almas do purgatório



Mas a Santíssima Virgem não só favorece e consola os seus devotos, como também os tira e livra do purgatório com a sua intercessão. No dia da sua Assunção esvaziou- se o purgatório, como escreve Gerson. Idêntica é também a opinião de Novarino, que a baseia em graves autores. Segundo ele Maria, no momento de ser elevada ao céu, pediu a seu amado Filho a graça de consigo levar logo todas as almas, que então se achavam no purgatório. Desde então, diz Gerson, está Maria na posse do privilégio de livrar os seus devotos daquelas penas. E isso o afirma também absolutamente S. Bernardino de Sena. A seu ver tem Maria a faculdade de livrar com suas súplicas e com a aplicação de seus merecimentos as pobres almas, especialmente as de seus devotos. Do mesmo parecer declara- se Novarino, dizendo que pelos merecimentos de Maria não só se tornam mais leves, mas também mais breves as penas dessas almas, apressando-se com a intercessão da Santíssima Virgem o tempo de expiação. Basta que ela formule um pedido nesse sentido.

Refere S. Pedro Damião que certa mulher, chamada Marózia, apareceu depois de morta a uma sua comadre, e lhe disse que no dia da Assunção de Maria havia sido libertada do purgatório. Que juntamente com ela saíra um tão considerável número de almas, que excediam o da população de Roma. A respeito das festividades do Natal e da Ressurreição do Senhor, assevera Dionísio Cartusiano e mesmo privilégio. Diz que em tais dias desce Maria ao purgatório, acompanhada por muitos anjos, e livra muitas almas daquelas penas. E Novarino inclina-se a crer que o mesmo sucede em todas as festas solenes da Santa Virgem.

domingo, 19 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 19 - Maria consola as pobres almas do purgatório




Muito felizes são os devotos desta piedosíssima Mãe. Pois ela não só os socorre neste mundo, mas também no purgatório são assistidos e consolados com a sua proteção. Por terem essas almas maior precisão de socorro, empenha-se a Mãe de Misericórdia com zelo ainda mais intenso em as auxiliar. Elas muito padecem e nada podem fazer por si mesmas. Diz S. Bernardino de Sena que Maria Santíssima tem nesse cárcere das esposas de Jesus Cristo certo domínio e pleno poder, tanto para aliviá-las como também para livrá-las completamente daquelas penas.

sábado, 18 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 18 - A devoção a Maria protege contra a fúria de Satanás





Oh! Quanto desagrada ao demônio a perseverante devoção de uma alma à Mãe de Deus! Afonso Álvarez, muito devoto de Maria, foi atormentado pelo demônio com violentas tentações impuras, uma vez que estava rezando. Deixa essa tua devoção para com Maria, disse- lhe o inimigo, que eu deixarei de tentar-te. Foi revelado a S. Catarina de Sena, como atesta Luís Blósio, que Deus concedera a Maria, em consideração a seu unigênito, a graça de não cair presa do inferno pecador algum que a ela se recomendar devotamente. O próprio profeta Davi pedia já ao Senhor que o livrasse pelo amor que tinha à honra de Maria: Senhor, eu amei o decoro da vossa casa...; não percais com os ímpios a minha alma (SI 25, 8).

Diz “vossa casa”, porque Maria foi certamente aquela casa que o próprio Deus se preparou na terra para sua habitação, e onde ao fazer-se homem achou seu repouso. Assim está escrito nos Provérbios (9,1): A sabedoria edificou para si uma casa. — Não se perderá certamente, dizia o Pseudo-Inácio, mártir, quem é fiel na devoção a essa Virgem Mãe. E isso confirma S. Boaventura com as palavras: Senhora, os que vos amam gozam grande paz nesta vida, e na outra não verão a morte eterna. Nunca sucedeu, nem sucederá, assegura-nos o piedoso Blósio, que um humilde e diligente servo de Maria se perca eternamente.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 17 - A devoção a Maria é penhor de eterna bem-aventurança



É impossível salvar-se quem não é devoto de Maria e não vive sob sua proteção, diz S. Anselmo, e também é impossível que se condene quem se encomenda à Virgem, e por ela é olhado com amor. Quase com os mesmos termos isso confirma S. Antonino. Não podem salvar-se aqueles, escreve o santo, dos quais Maria tem afastado seus misericordiosos olhos; mas salvam-se necessaria­mente os que por ela são vistos com amor e protegidos por sua intercessão. Repare-se, porém, na primeira parte desta proposição e tremam aqueles que fazem pouco caso da devoção à Mãe de Deus, ou que a abandonam por negligência. Estes santos afirmam que não há possibili­dade de salvação para quem não é amparado por Maria.A mesma coisa asseveram outros, como S. Alberto Magno: Todos os que não são vossos servos hão de perder-se, ó Maria. E S. Boaventura*: Aquele que se descuida de servir à Santíssima Virgem morrerá em pecado. Em outro lugar: Quem a vós não recorre, Senhora, não entrará no paraíso. No Salmo 99 de seu Saltério Mariano chega até a dizer que não só não se salvará, mas que nem esperança de salvação terá aquele do qual Maria aparta o seu rosto. E primeiro o disse o Pseudo-Inácio, mártir, afirmando que não pode salvar-se um pecador senão por meio da Santa Virgem, cuja misericordiosa intercessão salva muitíssi­mos que deveriam ser condenados pela justiça divina. O Abade de Ceies repete essas palavras. É nesse sentido que a Igreja aplica a Maria esta passagem dos Provérbios (8, 36): Todos os que me odeiam amam a morte eterna. Sobre o texto: “Ela é semelhante ao navio de um mercador” (Pr 31, 14), diz Ricardo de S. Lourenço: Todos os que não estiverem a bordo desse navio serão submergidos no mar deste mundo. Até o protestante Ecolampádio tinha por indício certo de reprovação a pouca devoção à Mãe de Deus.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 16 - Um verdadeiro devoto de Maria não se perde

Fonte: Vas Honorabile



É impossível que se perca um devoto de Maria, que fielmente a serve e a ela se encomenda. À primeira vista talvez pareça um tanto ousada esta proposição. Antes, porém, que seja rejeitada peço se leia o que a respeito eu vou apresentar.

Afirmo que é impossível perder-se um devoto da Mãe de Deus. Não me refiro àqueles que abusam dessa devoção para pecarem com menos temor. Desaprovam alguns que muito se celebrem as misericórdias de Maria para com os pecadores, dizendo que estes dela abusam para mais pecarem. Mas injustamente o desaprovam. Pois esses presumidos, por esta sua temerária confiança, merecem castigo e não misericórdia.

Falo tão somente daqueles devotos de Maria que, ao desejo de emenda, unem a perseverança em obsequiá-laQuanto a estes repito, é moralmente impossível que se percam. O mesmo afirma o Padre Crasset em seu livro sobre “A verdadeira devoção à Virgem Maria”. E antes já o afirmaram Vega em sua Teologia Mariana, Mendoza e outros teólogos. Que não falaram irrefletidamente, vê-lo-emos pelas afirmações dos Doutores e dos santos. Ninguém se admire à vista de tantas sentenças uniformes dos autores. Quis referi-las todas, a fim de provar o acordo geral dos escritores sobre este ponto.



(Glórias de Maria – Santo Afonso Maria de Ligório)

*Grifos meus.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Igreja Conciliar: Nova religião, nova doutrina, novo culto - Monsenhor Tissier de Mallerais


Igreja Conciliar: Nova religião, nova doutrina, novo culto.
Sermão de Monsenhor Tissier, 27 de Julho de 2002

Monsenhor Tissier explica que do Vaticano II saiu uma nova religião.
Tempos aqueles em que se pregava a verdade sem censura!


...Queridos ordenandos, queridíssimos fiéis:
(…) Em alguns instantes o bispo, no curso desta cerimônia de ordenação de diáconos e de sacerdotes, pronunciará estas palavras, aos diáconos lhes dirá: Agora os senhores são os cooperados do Sangue e Corpo do Senhor; e aos sacerdotes depois de sua ordenação, lhes dirá: recebam o poder de oferecer o sacrifício a Deus e de celebrar as missas tanto pelos vivos como pelos defuntos. Estas palavras (...) expressam sem embargo o objetivo mesmo do sacerdócio que é a consagração do Corpo e do Sangue de Nosso Senhor para renovar de maneira incruenta Sua Divina Paixão, e sem embargo, estas palavras foram suprimidas no novo Pontifical da ordenação tanto dos diáconos como de sacerdotes.

Esse desaparecimento é muito significativo e quer dizer que A NOVA RELIGIÃO já não quer expressar a transmissão de um poder de consagrar o Corpo e o Sangue e do poder de renovar a Paixão do Calvário. Por isso, estimados ordenandos, evidentemente estou seguro que no curso de vossos seis anos de seminário os senhores penetraram muito bem na doutrina católica, a qual ignora agora a maioria dos sacerdotes na NOVA RELIGIÃO. Porque esta mudança no rito de ordenação significa que é uma NOVA RELIGIÃO.

Esta supressão do poder de oferecer e de consagrar o Corpo e o Sangue de Cristo expressa precisamente A NOVA RELIGIÃO, dentro da qual se encontram a grande maioria dos católicos a qual defendem de coração, mas eles estão nesta NOVA RELIGIÃO que consiste não somente em um NOVO CULTO, senão também em UMA NOVA DOUTRINA. Se os senhores me permitem, em poucas palavras descreverei primeiro A NOVA DOUTRINA desta NOVA RELIGIÃO e em seguida seu NOVO CULTO. Primeiro os NOVOS DOGMAS, por conseqüência uma NOVA DOUTRINA saída destes.

MAIO COM MARIA: Dia 15 - Para todos é Maria um trono de misericórdia




Predissera o profeta Isaías que pela grande obra da redenção nos devia ser preparado um sólio de misericórdia  “E será estabelecido um sólio em misericórdia” (16, 5). Mas qual é esse sólio? É Maria, na qual acham confor­tos de misericórdia, não só os justos, mas também os pecadores, responde Conrado de Saxônia. Assim como o Salvador é cheio de piedade, também o é Nossa Senhora; à semelhança do Filho, a Mãe nada pode recusar a quem a chama em seu socorro. Guerrico, Abade, faz Jesus dizer a Maria: Minha Mãe, em vós quero colocar a sede do meu reino e por intermédio vosso hei de espalhar as graças que me forem solicitadas. Vós me destes o ser humano, e eu vos darei ter parte em minha onipotência, com a qual possais ajudar e salvar a quem quiserdes.

terça-feira, 14 de maio de 2013

Imagens da procissão de Fátima.

Segue as fotos da procissão em honra a Nossa Senhora de Fátima (13/05/2013):

( Preparação para procissão)


(Organização para sair com a procissão)

(Início da Procissão no Bairro Bethânia)

( Voc. Thiago rezando o Santo terço)

MAIO COM MARIA: Dia 14 - Ainda mais misericordiosa é Maria no céu





Dirige-lhe S. Pedro Damião a pergunta: Porventura vos esquecestes de nós, miseráveis, agora que estais exal­tada à dignidade de Rainha do céu? Longe de nós tal pensamento! É incompatível com a grande piedade do vosso coração o olvido de uma tão grande miséria como a nossa. — As honras mudam os costumes, afirma um co­nhecido adágio. Mas ele não é aplicável a Maria. Vale dos homens no mundo, que se ensorberbecem e esquecem os antigos amigos pobres, logo que se vêem elevados a alguma dignidade. Assim não procede Maria Santíssima. Justamente, por melhor ajudar os miseráveis é que se rejubila com sua grandeza. Em vista disso, aplica-lhe Conrado as palavras de Booz a Rute: Filha, bendita sejas do Senhor, que excedeste a tua primeira bondade com esta de agora (Rt 3, 10). Por outra queria dizer o autor: Se grande foi a piedade de Maria para com os miseráveis, quando vivia no mundo, muito maior é ela agora no céu. E a prova está em que agora a Virgem melhor conhece nossas misé­rias. Sua misericórdia aumentou com esse conhecimento, como o demonstram as inumeráveis graças que nos al­cança. Como em esplendor o sol supera à lua, assim a compaixão de Maria, no céu, excede a que tinha durante sua vida na terra. E quem há que neste mundo não goze da luz do sol? E onde haverá um homem sobre cuja cabeça não caiam os esplendores da misericórdia de Maria? Assim termina Conrado suas considerações. É por esta razão que lemos ser Maria “fulgurante como o sol” (Ct 6, 9). Pois, segundo Raimundo Jordão, não há quem não sinta o calor desse astro: Ninguém pode esconder-se de seu calor (SI 18, 7). Foi o que S. Inês revelou a S. Brígida: Nossa Rainha, ao lado de seu Filho no céu, não pode se esquecer de sua natural bondade. Até os pecadores mais ímpios são obsequiados com provas de sua misericórdia. Tal como a terra e outros planetas são iluminados pelo sol, também por intercessão de Maria todos os homens parti­cipam da divina misericórdia, desde que a peçam. 

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Carta aos Amigos da Resistência enviada da Espanha


Carta aos Amigos da Resistência enviada da Espanha


Pouco depois da minha chegada à Mãe Pátria, a quem encontrei, a par da pobreza moral e espiritual generalizadas, também pobre materialmente, viajei para Gijon[¹], no norte da Espanha, com uns queridos fiéis, e visitamos o Santuário de Covadonga[²], na belíssima região das Astúrias, onde o grande Pelágio iniciou a resistência [ao Islã], no ano de 722, contra a invasão moura de Alkhamah [ouAlqama, em Português], e a partir daqueles eventos foi retomada, para a Cristandade, a Península Ibérica. Seguindo o exemplo, quis confiar à “La Santina”, como familiarmente chamam à Virgem de Covadonga, nosso combate pela Resistência Católica. Hoje, treze séculos após aquela gesta para salvar a Fé e a Pátria, estamos em um combate similar, no qual a Fe é novamente atacada, desta vez no seio do próprio movimento pela defesa da Tradição.

Seguiram-se uma série de visitas a antigos e novos fiéis, que nos chamaram e nos ofereceram seu apoio, enquanto outros se informaram acerca da real situação que vive a neo-Fraternidade de Fellay, que tão habilmente foi separada dos princípios de seu querido Fundador, Monsenhor Lefebvre. Tivemos a satisfação de encontrar mais “resistentes” do que pensávamos; a muitos não pudemos visitar por uma questão de tempo e prometemos fazê-lo em uma próxima visita. Alguns fieis nos pediram discrição, por medo de represálias dos sacerdotes que trabalham na região; outros, ao contrário, estão dispostos a sofrer tudo, até mesmo ficar sem os sacramentos, a fim de não colaborar mais com estes pseudo-tradicionalistas, à imitação dos valorosos fiéis do México.

A impressão geral que me dá a outrora FSSPX é a de um barco naufragando lentamente, perfurado em seu casco pelos erros modernistas permitidos por seus chefes; erros nunca reparados e covardemente silenciados por seus sequazes.

Resta-me ainda a visita a Portugal, onde terminarei meu giro em Fátima, colocando sob a proteção da Virgem Mãe nosso combate e na espera do cumprimento de sua grande promessa... “no fim, o meu Imaculado Coração triunfará”.

Dando em Toledo, um ano após minha feliz saída da seita dos Fellay, aos 13 de maio de 2013, aniversário da aparição de Nossa Senhora de Fátima. Viva Cristo Rei!

P. E. Cardozo



Notas:
[1] Gijón (em asturiano: Xixón) é um município da Província e Principado das Astúrias, na Espanha. "Gijón" deriva do nome da antiga cidade romana de Gigia. Nativo de Gijón é o nobre Pelágio, primeiro rei das Astúrias e grande defensor da Espanha e da Fé. 
[2] Vide história no texto e nas notas do Sermão do Pe. Haewko que publicamos no Pale Ideas

Tradução: Giulia d'Amore di Ugento. 

Um recado para Ipatinga e todo Vale do Aço.



Amigos e Amigas Ipatinguenses,

Vivemos tempos terríveis em nossa cidade e região, diariamente lemos nos portais de noticias inúmeras tragédias. Nossa região definitivamente não está em PAZ. Hoje mesmo ao abrir o portal PLOX vi notícias relacionadas à PEDOFILIA, TRÁFICO DE DROGAS E TIROTEIO EM UM BAR DA CIDADE. Não para de morrer pessoas tanto em Ipatinga como em Coronel Fabriciano, a cidade de Santana do Paraíso não fica para trás.

As autoridades políticas tentam resolver a situação colocando a POLÍCIA para coibir os acontecimentos, porém infelizmente a POLÍCIA (tanto militar como civil) de nossa região vive um período de crise, o caso Rodrigo Neto é uma prova disto.

MAIO COM MARIA: Dia 13 - Maria foi misericordiosa na terra

Fonte: Vas Honorabile


S. Epifânio chama a divina Mãe de onividente, pois, como Mãe desvelada, é toda olhos para atender às nossas misérias na terra e aliviá-las. Perguntaram um dia ao de­mônio, quando era esconjurado de um possesso, qual a ocupação de Maria. Respondeu o interrogado: Sobe e desce. Queria dizer que essa bondosíssima Rainha desce sem cessar à terra para trazer graças aos homens, e sobe aos céus para obter favorável despacho às nossas preces. Tem razão, portanto, S. André Avelino ao chamá-la admi­nistradora dos bens do paraíso, porque continuamente está às voltas com a Misericórdia, impetrando graças para todos, tanto para os justos como pecadores. Os olhos do Senhor estão sobre os justos, diz Davi (SI 33, 16). Mas os de nossa Rainha, diz Ricardo de S. Lourenço, estão volta­dos tanto sobre os justos como sobre os pecadores. São olhos de mãe os olhos de Maria, acrescenta ele, e a mãe vela não só para que o filho não caia, senão também para levantá-lo após a queda. 

domingo, 12 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 12 - Maria cuida de cada um de nós

Fonte: Vas Honorabile

S. Boaventura* anima os pecadores nestes termos: Que deves fazer, se por causa de teus pecados temes a vingança de Deus? Vai, recorre.a Maria, que é a esperança dos pecadores. Estás, porém, receoso de que ela não queira tomar-tua defesa? Pois então fica sabendo que é impossível uma tal repulsa; pois o próprio Deus encarregou-a de ser o refúgio dos pecadores.

É lícito a um pecador desesperar de sua salvação, quando a própria Mãe do Juiz se lhe oferece por mãe e advogada? pergunta o Abade Adão de Perseigne. E conti­nua: Vós, ó Maria, que sois Mãe de Misericórdia, recusa- ríeis interceder junto ao vosso Filho que é Juiz, por um filho vosso que é pecador? Em favor de uma alma recusa- ríeis falar ao Redentor, que morreu na cruz para salvar os pecadores? Não; não podeis fazê-lo; pelo contrário, de coração vos empenhais por todos os que vos invocam. Pois sabeis perfeitamente que aquele Senhor, que consti­tuiu vosso Filho medianeiro de paz entre Deus e o homem, também vos constituiu a vós medianeira entre o juiz e o réu. Agradece, portanto, ao Senhor que te deu uma tão grande medianeira, exorta S. Bernardo. Por manchado de crimes, por envelhecido que sejas na iniqüidade, não per­cas a confiança, ó pecador. Dá graças ao Senhor que em sua nímia misericórdia não só te deu o Filho por advogado, senão também para aumento de tua confiança te concedeu essa grande medianeira, cujos rogos tudo alcançam. Re­corre, pois, a Maria e serás salvo

sábado, 11 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 11 - A mediação de Maria apóia-se na sua divina maternidade

Fonte: Vas Honorabile

A principal missão de Maria quando veio à terra era a de levantar as almas caídas da divina graça e reconciliá-las com Deus. “Apascenta teus cabritos” (Ct 1,7) — disse- lhe, pois, ao criá-la, o Senhor. Como se sabe, os cabritos são uma conhecida figura dos pecadores, que no vale do juízo serão postos à esquerda, enquanto que as ovelhas figuram os eleitos, cujos lugares serão à direita. Ora, esses cabritos, diz Guilherme de Paris, vos são confiados, ó grande Mãe de Deus. Deveis convertê-los em ovelhas; os que por suas culpas mereceriam ser repelidos para a es­querda, graças à vossa intercessão, sejam colocados à direita. O Senhor revelou a S. Catarina de Sena que sua intenção, ao criar essa sua dileta filha, era a de conquistar por sua doçura os corações dos homens, sobretudo dos pecadores, e atraí-los a si. Note-se, porém, aqui a bela reflexão de Guilherme de Paris sobre a citada passagem dos Cânticos: “Diz o Senhor: Apascenta teus cabritos”. Deus, portanto, encomenda a Maria os cabritos dela. Sim, Maria não salva todos os pecadores, mas tão somente os que a servem e invocam. Quanto aos que vivem no pe­cado, nem a honram com algum especial obséquio, nem se lhe encomendam para sair do pecado, esses não são cabri­tos de Maria. No dia do Juízo serão miseravelmente rele­gados à esquerda com os condenados”.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 10 - Maria é Medianeira entre Deus e os homens





É a graça de Deus um tesouro muito grande e muito desejável para todas as almas. O Espírito Santo lhe chama um tesouro infinito, pois por meio dela somos elevados à honra de amigos de Deus. “É ela um tesouro infinito para os homens: do qual os que usaram têm sido feitos participantes da amizade de Deus” (Sb , 14). O Divino Salvador diz, por isso, aos que se acham no estado de graça: Vós sois meus amigos (Jo 15, 14). Ó maldito pecado, que rompes essa bela amizade! “Vossas iniquidades separam-vos de Deus” (Is 59, 2). Igualmente aborrece o Senhor o ímpio e a sua impiedade (Sb 14, 9). O pecado, tornando a alma objeto de ódio para Deus, de amiga converte-a em inimiga de seu Senhor. Mas que deve fazer um pecador que tem a desventura de viver presentemente na inimizade de Deus? Precisa encontrar um medianeiro eu lhe obtenha o perdão e o faça recuperar a perdida amizade com Deus. Consola-te, ó infeliz, diz S. Bernardo, que perdeste a Deus. Como medianeiro deu-te o próprio Senhor seu Filho, Jesus Cristo, que pode atender a teus desejos.Que coisa haverá que um tal filho não consiga junto a seu Pai?

quinta-feira, 9 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 09 - Maria, a fiel cópia da misericórdia divina

Fonte: Vas Honorabile



Foi para dispensar-nos todas as misericórdias possíveis, afirma S. Bernardo, que o Eterno Pai, além de Jesus Cristo, nosso principal advogado, nos deu ainda Maria Santíssima como advogada. Não há dúvida, Jesus é o único medianeiro de justiça entre Deus e os homens, o único que em virtude dos próprios méritos nos pode obter graça e perdão, e de acordo com suas promessas também o quer. Mas como em Jesus Cristo reconhecem e temem os homens a majestade divina, aprouve a Deus dar-nos outra advogada a quem recorrer pudéssemos com maior confiança e menor receio. E temo-la em Maria, fora de quem não acharemos outra nem mais poderosa para a Divina Majestade, nem mais misericordiosa para conosco. Grande injúria faz à piedade desta amável advogada quem se intimida de vir à sua presença. Pois ela nada tem de severo e de terrível, mas é toda suavidade, toda clemência, toda amabilidade. Lê e relê quanto quiseres, prossegue S. Bernardo, o que está escrito nos Santos Evangelhos, e se encontrares um só ato de severidade em Maria, então teme chegar-te a seus pés. Mas o não acharás em parte alguma. Recorre, pois, a ela alegre e confiadamente, que por sua intercessão ela te salvará.


Belíssimas são as palavras que Guilherme de Paris faz o pecador pronunciar diante de Maria: Ó Mãe de meu Deus! Reduzido à miséria por muitos pecados, a vós recorro cheio de confiança. Se me repelirdes, mostrar-vos-ei que estais em certo modo obrigada a ajudar-me, porque toda Igreja dos fiéis chama e clama que sois Mãe de Misericórdia.Porque Deus muito vos quer, também sempre atende vossos rogos. Jamais falhou vossa grande piedade; vossa dulcíssima afabilidade repeliu nunca pecador algum, ainda de todos o maior, que a vós se tenha recomendado. Como então? Será falsamente ou em vão que a Igreja toda vos denomina advogada sua e refúgio dos miseráveis? Que minhas culpas, ó minha Mãe, não vos impeçam de exercer esse grande ministério de misericordiosa advogada e medianeira de paz entre Deus e os homens, como seguro refúgio e única esperança dos miseráveis. A quem deveis vossa riqueza em graça e em glória e mesmo vossa dignidade de Mãe de Deus? Posso dizê-lo? Deveis aos pecadores tudo quanto possuís; por causa deles o Verbo Divino vos elegeu para sua Mãe. Assim, pois, já que é vosso ofício ser medianeira entre Deus e os homens, assisti-me pela vossa grande bondade, a qual é incomparavelmente maior que todos os meus pecados.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Sobre um belo exercício da presença de Deus


Sobre um belo exercício da presença de Deus


"A paz encontrada em Deus irradia a todo o ser, sobre quantos entram em relação com ele.

Entre os que mais preconizaram na idade média o exercício da presença de Deus, acha-se na primeira linha o bem-aventurado Henrique Suso.

Certa ocasião em que esse amigo de Deus se achava em visita a um convento de freiras, perguntaram-lhe suas filhas espirituais como passava.

- Receio, respondeu ele, não andar bem, pois, contra o meu costume, há quatro semanas nada sofro no corpo nem em minha reputação; é de temer que Deus me haja esquecido.

Mal acabara Suso essas palavras quando o chamaram para fora do parlatório, e um irmão o informou de que uma emboscada lhe fora armada de dois lados para assassiná-lo. Ao ouvir esta notícia, exclamou: "Louvado seja Deus" e, correndo ao parlatório, disse às religiosas:

- Passai bem, minhas filhas. Deus lembrou-se de mim e ainda não me esqueceu!

Como nos torna felizes o exercício da presença de Deus, mesmo nas horas de sofrimento!"

De "O exercício da presença de Deus". Por um zeloso sacerdote. Ed. Vozes. 1938

 
 
 
 
 
 
PARA LER:
  • Vida do Beato Henrique Suso, da ordem dos Pregadores, traduzida de latim em portuguez. Considerações das lagrimas de N. Senhora, e outras obras em prosa, e em verso, que andavão dispersas (1836) - PDF.





****************************************************
Iesu, Maria, Ioseph, vobis cor et animam meam dono.
Iesu, Maria, Ioseph, adstate mihi in extremo agone.
Iesu, Maria, Ioseph, in pace vobiscum dormiam et requiescam.

*


--
Postado por Blogger no Pale Ideas em 5/06/2013 10:59:00 PM

MAIO COM MARIA: Dia 08 - Maria intercede sem cessar pelos pecadores

Fonte: Vas Honorabile

Afirma o Beato Amadeu que nossa Rainha está na presença da Divina Majestade, continuamente intercedendo por nós com as suas poderosas orações. Profunda conhecedora que é de nossas misérias e aflições, não pode desapiedar-se de nós. Levada pelos sobressaltos de um coração maternal, compassivo e benigno, procura como nos socorrer. A cada um de nós, por miserável, que seja, exorta por isso Ricardo de S. Lourenço a recorrer confiadamente a tão amável advogada, na firme certeza de achá-la pronta a vir em nosso auxílio. Ela está sempre disposta a orar por todos, escreve Godofredo, abade.

terça-feira, 7 de maio de 2013

MAIO COM MARIA: Dia 07 - Maria ama-nos ternamente e de modo especial os pecadores

Fonte: Vas Honorabile

Numerosos motivos forçam-nos a amar nossa amabilíssima Rainha. Em toda parte louvassem-na, dela somente falassem em todos os sermões, a vida dessem por ela todos os homens – tudo isso ainda pouco seria em comparação da gratidão e amor que lhe devemos. Pois é terníssimo o amor que ela consagra a todos os homens, mesmo aos mais infelizes pecadores, quando lhe conservam algum afeto ou devoção. O abade de Celes – que por humildade tomou o nome de Idiota – diz de Maria: Não pode a Virgem deixar de amar quem a ama; não desdenha servir quem a serve. Se o servo é um pecador, empenha toda sua poderosa intercessão para obter-lhe o perdão de seu Filho. Tamanha lhe é a bondade e tão grande a misericórdia, que não repele quem a invoca. Na qualidade de amantíssima advogada nossa oferece a Deus as preces de seus servos; pois, como o Filho intercede por nós junto ao Pai, assim ela intercede por nós junto ao Filho. Não se cansa de tratar com o Pai e com o Filho o sério assunto da nossa salvação. Singular refúgio dos perdidos, esperança dos miseráveis e advogada de todos os pecadores que a ela recorrem – assim com muita razão a chama Dionísio Cartusiano.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Dom Marcel Lefebvre fala


Visto em: Pale Ideas

Transcrevemos hoje, traduzida, a entrevista de Dom Marcel Lefebvre publicada no Figaro de 4 de agosto(1); e não ignoramos que muitos leitores brasileiros, por carência de informação ou de formação, talvez se escandalizem com a declaração de Dom Lefebvre; e talvez a qualifiquem como simplesmente rebelde e indisciplinada.

De início eu diria ao meu escandalizado leitor que é fácil julgar-se mais católico, mais virtuoso do que Dom Lefebvre, mas que não é tão fácil sê-lo efetivamente. 

A Europa inteira está emocionada e aturdida diante da suspensão do venerável ancião que se achou colocado na situação prevista na famosa carta que os cardeais Ottaviani e Bacci dirigiram ao Sumo Pontífice em 1969: «...a promulgação do Novo Ordo coloca o fiel católico diante de uma trágica opção».

Coube à grande alma católica do Bispo fundador de seminários católicos o encargo de condensar em sua obra, em seu coração, o sofrimento de todos os sacerdotes e leigos do mundo que sofrem o mesmo dilaceramento.

Segue-se a entrevista com a pergunta inicial do jornalista e as declarações de Dom Lefebvre:

MAIO COM MARIA: Dia 06 - O grande poder de Maria funda-se na sua dignidade de Mãe de Deus

Fonte: Vas Honorabile


É certo, em suma, que não há criatura alguma que obter nos possa tantas misericórdias, como esta boa advogada. Não só Deus a honra como sua serva dileta, mas sobretudo como sua verdadeira Mãe, diz Guilherme de Paris: Uma só palavra de seus lábios é quanto basta para o Filho atendê-la.

À Esposa dos Cânticos, figura da Virgem Maria, diz o Senhor: “O tu que habitas nos jardins, os teus amigos estão atentos: Faze-me ouvir a tua voz” (8, 13). São os santos esses amigos; quando pedem alguma graça para seus devotos, esperam obtê-la pela intercessão da sua Rainha. Pois, conforme o demonstramos no capítulo V, graça nenhuma é dispensada sem a intercessão de Maria. E como a obtém Maria? Uma palavra é o quanto basta ao Filho. “Faze-me ouvir a tua voz!” É bem acertado o comentário de Guilherme de Paris à mencionada passagem dos Cânticos. Imagina-se ele o Filho, dizendo à sua Mãe: Ó tu que habitas nos jardins celestes, pede com toda a confiança; pois esquecer não posso que sou teu Filho e que nada devo recusar à minha Mãe. Basta-me ouvir tua voz; para o Filho é o mesmo te ouvir como te atender.

domingo, 5 de maio de 2013

Carismáticos, Demônios e Modernistas


Por Átila Sinke Guimarães
Traduzido por Andrea Patrícia



Comentário sobre o livro Close-Ups of the Charismatic Movement [Close-Ups do Movimento Carismático] de John Vennari. (Los Angeles: TIA, 2002), 175 pg.



Fiquei impressionado depois de ler Close-ups do Movimento Carismático, de John Vennari. Em muitos sentidos foi um choque para mim, pois eu não tinha uma idéia completa sobre tal movimento. Eu nunca tinha tido tempo para estudar o chamado Movimento Pentecostal ou Carismático.

O movimento francês Pentecostal no início de 1990

Apenas uma vez eu tive a oportunidade de vê-lo superficialmente. Isso foi no inverno 1991-1992, durante um descanso de dois meses em Paris depois que eu tinha acabado de escrever minha coleção sobre o Concílio. Aproveitei esse tempo para visitar o centro carismático de lá, que era localizado no centro de Paris na Igreja de St. Gervais a uma quadra do Hotel de Ville.
Seu foco central era litúrgico, tentando apresentar a Missa Nova e as reformas do Concílio Vaticano II em uma luz "conservadora". Eles tinham o forte apoio do Cardeal Lustiger, Arcebispo de Paris, que na época desempenhava o papel de seduzir a direita católica francesa para o seu lado. Como eu nunca tinha engolido o "conservadorismo" de Lustiger, eu era imune ao seu contágio.
O grupo de St. Gervais foi chamado "A Comunidade de Jerusalém". Foi o principal bloco de inúmeras unidades Pentecostais espalhadas por toda a França, que foram orientadas a apresentar-se como fragmentadas e não como um conjunto. Visitei St. Gervais, falei com um monge e uma senhora que dirigia a livraria e comprei uma dúzia de livros, folhetos e várias fitas para estudar mais tarde. Eu escutei as fitas, mas nunca tive tempo para ler os livros. Em Paris, este grupo tinha um mosteiro (homens e mulheres que vivem sob o mesmo teto), e também tinha uma fazenda em algum outro lugar na França.
Depois de saber que o principal serviço da comunidade de Jerusalém foi na noite de quinta-feira às 17:30h, decidi participar. O interior da Igreja de St. Gervais é gótico, lançado em sombras, sublime e grande. O altar de mármore branco - em estilo barroco francês, os candelabros enormes de ouro, e as ferragens requintadas das grades da sacristia ainda mantinham o tom rico e de prestígio da era pré-Vaticano II. O coro paroquial, no entanto, era nulo de bancos e sem um trilho para separá-lo dos fiéis. Na nave central, sem assentos, bancos ou cadeiras, apenas um enorme tapete de cor ocre que cobria o chão do altar até a porta de entrada, e da nave esquerda para a direita. Entre as quase 200 pessoas lá na noite de quinta-feira, eu estava presente, sentado desconfortavelmente naquele tapete.

Monges, irmãs e leigos todos se sentam no chão, alguns com suas testas tocando o tapete.